Transparência e Governança

 
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size


Opinião dos Especialistas


Ana Novaes

Sócia fundadora da Oitis Consultoria Econômica e Financeira Ltda, doutora em Economia pela Universidade da Califórnia, Berkeley e advogada formada pela PUC - RJ

É importante que o investidor perceba, que se uma companhia está no Novo Mercado, há fortes indicações de que sua governança seja melhor e diferenciada, mas isso não é condição necessária nem suficiente para assegurar a boa governança. Por outro lado, uma companhia, que por motivos históricos tem ações PN, ainda assim pode ter uma boa governança.

Leia mais...
 

Alexandre Di Miceli

Professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP)

Sim, é um mito esperar que companhias abertas tenham sempre melhor governança pela presença de fundos de pensão ou do BNDES no seu bloco de controle. Infelizmente as evidências até o momento indicam que a presença desses investidores como acionistas relevantes não é associada a padrões mais elevados de governança. Estamos conduzindo um ampla pesquisa neste sentido, cujos resultados definitivos devem estar disponíveis até meados deste ano. Até o momento, reunimos dados de 239 companhias. Os resultados preliminares – disponíveis no link SSRN: http://ssrn.com/abstract=1957110 – são desapontadores.

Leia mais...
 

Dwight Clancy (Tradução)

Bacharel em Economia

Pela primeira vez na história do mercado de capitais do Brasil, um grupo de acionistas minoritários liderados pela BlackRock Global Asset Management e pela gestora de recursos brasileira Polo Capital, tentou aprovar a indicação dos dois conselheiros independentes que a lei permite ao grupo de acionistas minoritários da Petrobras. O dispositivo da lei é destinado a contrabalançar o poder exercido pelo controladores de empresas, neste caso, o Governo do Brasil, que possui diretamente mais de 50% das ações ordinárias da Petrobras. Os minoritários, então, reuniram-se e conseguiram fechar a quantidade de ações necessárias para elegerem seus representantes de direito.

Leia mais...
 

Marcelo Barbosa

Sócio do escritório Vieira, Rezende, Barbosa e Guerreiro, Professor de Direito Societário da FGV

A criação do Comitê de Aquisições e Fusões (CAF) é uma iniciativa inspirada nos TakeoverPanels existentes em outros países, como Inglaterra e Austrália. Será uma instância para apreciação de questões relacionadas a operações de reorganização societária e ofertas públicas de aquisição de ações envolvendo companhias abertas. O objetivo do CAF será assegurar a adoção de termos equitativos em tais operações.

Leia mais...
 

Marcelo Giufrida

Presidente da BNP Paribas Brasil Asset Management Brasil. Presidente da Anbima.

Empresas que acessam o mercado de capitais comprometem-se, de acordo com a regulação de seus mercados, com políticas mínimas de governança e formalização de suas atividades. O que as experiências brasileira e internacional têm mostrado é que também a autorregulação tem papel relevante para induzir as companhias a esforçarem-se para adotar práticas adicionais àquelas exigidas pela regulação, aumentando a transparência das informações e o controle de seus acionistas.

Leia mais...
 


Página 1 de 3

Política de Moderação


Copyright © 2019 Transparência e Governança. Todos os direitos reservados.
___by: ITOO Webmarketing