Transparência e Governança

 
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
notícias Investidores devem ser indenizados pelos danos decorrentes de ilícitos


Investidores devem ser indenizados pelos danos decorrentes de ilícitos

 

Investidores devem ser indenizados pelos danos decorrentes de ilícitos praticados no mercado de valores mobiliários. A possibilidade de ressarcimento adequado dos prejuízos tem relevância tanto para garantir a efetiva proteção dos investidores quanto para desestimular a prática de atos ilícitos e sinalizar a credibilidade e a lisura do mercado. A primeira instituição que vem à mente quando se pensa em reparação de danos é o Poder Judiciário. No Brasil, todavia, é difícil encontrar caso  no qual acionistas tenham obtido êxito. O desfecho do recente caso Petroquisa é bastante representativo do desalento para os minoritários. Diante dos enormes desafios jurídicos ligados ao regime de responsabilidade, em especial a comprovação do dano e do nexo de causalidade, somados à morosidade e às incertezas na utilização de instrumentos processuais, é preciso avançar em outra direção e pensar em alternativas mais interessantes. Dentre as alternativas está o termo de compromisso na CVM como potencial  instrumento viável e rápido para ressarcir os prejuízos daqueles lesados no mercado de valores mobiliários.

Há duas pesquisas acadêmicas recentes que trazem dados reveladores e interessantes sobre o tema, ambas produzidas pelo Núcleo de Estudos em Mercado de Investimentos da FGV Direito SP. A primeira foi elaborada no âmbito do projeto “The protection of minority investors and the compensation of their losses”, coordenada pelo Prof. Martin Gelter (Fordham Law School). O relatório sobre o Brasil é de autoria de Viviane Muller Prado e traz o resultado da inexistência de casos de ressarcimento de investidores lesados por informação falsa nos últimos anos via judiciário. Mas há um  interessante achado da pesquisa: em um termo de compromisso houve ressarcimento por falhas informacionais (Caso VCP/Aracruz). Este texto será publicado até o final do ano no livro “Global Securities Litigation and Enforcemente” pela Cambridge University Press.

Considerando este resultado, foi realizado segundo estudo  para saber se e quando o termo de compromisso é usado para fins de ressarcimento. A pesquisa nos termos de compromisso da CVM indica que este instrumento serve timidamente para fins de ressarcimento de prejuízos , mas revela grande potencial como instrumento eficaz para reparação de danos. Não se ignora os pontos sensíveis desta ideia e os limites na estrutura da CVM para cumprimento da função. Os resultados estão em artigo de autoria de Viviane Muller Prado e Renato Vilela, a ser publicado no livro Processos Societário II, organizado por Flávio Luiz Yarshell e Guilherme Setoguti J. Pereira, com lançamento marcado para o mês de outubro deste ano.

Os desafios não são pequenos, mas o esforço de maior reflexão sobre a utilização dos termos de compromisso para identificar o seu real potencial parece interessante. A razão disto está no fato do termo de compromisso representar instrumento administrativo que determina a rápida indenização dos danos tanto para a proteção dos investidores quanto para inibir comportamentos oportunistas, existentes na crença de que não haverá a necessidade de ressarcimento dos prejuízos decorrentes da prática de atos ilícitos no mercado de valores mobiliários.

 

 

Transparência & Governança
 


Copyright © 2017 Transparência e Governança. Todos os direitos reservados.
___by: ITOO Webmarketing