Transparência e Governança

 
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
notícias Conselho avaliará relatórios de auditorias da Rnest e Comperj


Conselho avaliará relatórios de auditorias da Rnest e Comperj

 

28/11/2014 às 05h00

Valor Econômico - por Rodrigo Polito | Do Rio

O conselho de administração da Petrobras vai analisar na próxima reunião, marcada para 12 de dezembro, os relatórios das auditorias internas de apuração de indícios de irregularidades nos contratos da refinaria do Nordeste (Rnest ou Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco); e do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Os relatórios serão apreciados na mesma reunião em que devem ser avaliados os resultados não auditados da companhia no terceiro trimestre.

"Os relatórios de auditoria interna estão sendo terminados. Alguns já foram submetidos a aprovação do conselho. O conselho já aprovou o relatório de Pasadena [a refinaria no Texas, Estados Unidos, cujo valor de compra pela Petrobras passa por suspeita de superfaturamento]. É um relatório conclusivo, com uma série de propostas de correição e de punição. E agora virão os outros, relativos a refinaria do Nordeste, ao Comperj e mais uns dois ou três", afirmou ontem Sergio Quintella, integrante do conselho de administração da Petrobras, durante o lançamento do "Caderno de Gás Natural FGV Energia", na Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro.

Segundo Quintella, que preside o comitê interno de auditoria da Petrobras, o relatório de auditoria de Pasadena indicou uma lista de nome de funcionários suspeitos de terem cometidos irregularidades. Ele não quis dizer a quantidade de nomes que compõem a lista, mas afirmou que eles estão passíveis de punição, sem explicitar quais as penalidades cabíveis.

Ontem à noite, a Petrobras divulgou nota esclarecendo que o conselho de administração não recebeu o relatório da comissão interna de apuração de Pasadena, mas apenas as recomendações e providências propostas pelo comitê de auditoria do conselho.

O conselheiro elogiou a criação da diretoria de compliance pela Petrobras, anunciada esta semana pela petroleira brasileira. "Foi uma decisão acertada", afirmou. "Já deveria ter sido feito há mais tempo. Infelizmente está se fazendo só agora. Será uma coisa muito benéfica e passa ao mercado a intenção clara da companhia de aprimorar seus procedimentos".

Segundo ele, o futuro diretor será uma pessoa de fora da companhia e que será prospectada por meio de "head hunter".

 

Leia mais em:

 


Copyright © 2019 Transparência e Governança. Todos os direitos reservados.
___by: ITOO Webmarketing