Transparência e Governança

 
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
notícias Sócio da Oi não deverá pagar dívida hoje


Sócio da Oi não deverá pagar dívida hoje

 

Parcela de € 847 mi deveria ser paga nesta terça à Portugal Telecom; Grupo Espírito Santo ainda busca saída

Dinheiro repassado pela Portugal Telecom, à revelia dos sócios, gerou crise e atrapalhou a fusão com a Oi

Folha de S. Paulo de 15 de julho de 2014

JULIO WIZIACK

DAVID FRIEDLANDER

DE SÃO PAULO

A Rio Forte, empresa portuguesa que controla o braço não financeiro do Grupo Espírito Santo, não deve pagar a parcela de € 847 milhões do "empréstimo" de € 897 milhões feito pela Portugal Telecom (PT) que vence nesta terça, e existe o risco de que entre com um pedido de recuperação judicial.

Esta era a posição até o fechamento desta edição, segundo apurou a Folha. As negociações ainda estão em curso. Nos últimos dias, o grupo português, um dos maiores conglomerados privados do país, tentava vender ativos para saldar o compromisso.

Até o momento, no entanto, o grupo só conseguiria arrecadar € 300 milhões com a venda de ativos. Um deles é a rede hoteleira Tivoli, que tem 12 unidades em Portugal e duas no Brasil. Os negócios no país incluem ainda empreendimentos imobiliários de alto padrão em São Paulo.

A situação do grupo é complicada porque compromete seu principal negócio fora da área financeira --a Portugal Telecom, que está em processo de fusão com a Oi.

A operadora brasileira tem 10% da PT. Dias atrás, seus representantes se retiraram do conselho da companhia portuguesa após a revelação do "empréstimo" --que teria sido feito em abril, à revelia dos demais sócios portugueses e brasileiros.

Agora, todos sentaram à mesa em busca de uma solução. A fusão não deverá ser desfeita. O que se busca é uma forma de viabilizar o pagamento do "empréstimo" da Rio Forte à PT sem modificar os termos do acordo de fusão.

CONTÁGIO

Embora a crise por enquanto esteja limitada ao braço não financeiro do grupo, existe o risco de que ela afete o Banco Espírito Santo, carro-chefe do conglomerado, um dos maiores do país.

Os clientes do banco têm € 2,8 bilhões em papéis das empresas ligadas ao grupo e o temor no mercado é que o iminente calote da Rio Forte na PT provoque desconfiança também em relação à saúde do banco, que enfrentou problemas recentes com o Banco Central português.

Isso poderia gerar uma corrida bancária, agravando ainda mais a crise.

ATUAÇÃO

Fora da área financeira, o Grupo Espírito Santo atua no ramo de tecnologia, energia, transporte e reciclagem de lixo, além de hotelaria --que inclui a rede Tivoli, proprietária no Brasil do Resort Praia do Forte, na Bahia, e do Tivoli Mofarrej, um dos hotéis mais conhecidos de São Paulo, na região da av. Paulista.

No Brasil, o grupo também participou de uma série de empreendimentos imobiliários, como a construção de prédios de escritórios em áreas nobres de São Paulo e a construção de um condomínio de altíssimo padrão, o Quinta da Baroneza, em Bragança Paulista (85 km ao norte de São Paulo).

O grupo tem o Bradesco, segundo maior banco privado do Brasil, como sócio do Banco Espírito Santo, com 4% de participação.

RIO FORTE (GRUPO ESPÍRITO SANTO)/2013

PATRIMÔNIO € 2,8 bilhões

TOTAL DE DÍVIDAS € 1,5 bilhão

NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS 9.941

 


Copyright © 2019 Transparência e Governança. Todos os direitos reservados.
___by: ITOO Webmarketing