Transparência e Governança

 
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
notícias Bolsa faz alerta para conselheiros


Bolsa faz alerta para conselheiros

 

Valor Econômico

11 de março de 2013

 

Os conselhos de administração das empresas listadas no Novo Mercado e no Nível 2 de governança da BM&FBovespa têm sido vagos ao se manifestar sobre a conveniência da realização de ofertas públicas de aquisição de ações (OPA). Isso motivou a publicação, na sexta-feira, de esclarecimentos sobre essas manifestações, disse o diretor de regulação da bolsa, Carlos Rebello.

 

O parecer do conselho de administração sobre a realização de uma OPA passou a ser obrigatório a partir de maio de 2011 para as empresas listadas no Novo Mercado e no Nível 2. "Queremos que as regras sejam bem entendidas para que não haja descumprimento", afirmou Rebello, completando que, por enquanto, não houve casos de empresas punidas por infringir a regra.

O comunicado enviado ao mercado lembra que a manifestação do conselho é necessária na realização de qualquer OPA, seja ela voluntária ou obrigatória - quando há alienação de controle acionário; cancelamento de registro; saída voluntária do segmento de listagem; cancelamento, pela bolsa, da autorização da companhia para negociar papéis nos segmentos de listagem.

Segundo a gerente de regulação e orientação aos emissores da bolsa, Patrícia Pellini, desde 2011 foram verificadas manifestações dos conselhos cujo conteúdo ficou aquém do desejado. "A obrigação é que o administrador se manifeste favoravelmente ou contrariamente à OPA, mas deve haver clareza nesse sentido", disse. "O que observamos é que uma manifestação ou outra era muito vaga. Houve deficiência nas manifestações", disse.

No texto divulgado na sexta-feira, a BM&FBovespa lembra que, ao se manifestar pela OPA, o conselho deve abordar a conveniência e oportunidade da oferta quanto ao interesse dos acionistas, repercussões da OPA sobre a companhia, planos estratégicos e outros pontos pertinentes.

A bolsa enfatiza também a necessidade de o conselho de administração manifestar-se sobre o preço por ação oferecido, a metodologia adotada pelo avaliador, "bem como se as premissas utilizadas estão condizentes com as condições macroeconômicas, de mercado e do setor da empresa".

"O conselho de administração deve se manifestar se a operação que motivou a OPA criará valor para a companhia ou, contrariamente, se elevará os custos de capital ou reduzirá o retorno do investimento", afirmou o ofício.

Considerações sobre alternativas de criação de valor para os acionistas ou potenciais prejuízos que a atividade da companhia poderá sofrer com a alteração de controle, saída do segmento de listagem ou cancelamento de registro de companhia aberta também devem constar no parecer, explica a bolsa.

Também é dever do conselho avaliar o impacto da OPA sobre a liquidez das ações da empresa, tanto no momento de sua realização como posteriormente.

"A manifestação permite que os acionistas tenham acesso à opinião daqueles que têm o domínio da gestão", afirma o ofício.


Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/3039152/bolsa-faz-alerta-para-conselheiros#ixzz2NFjunmJI

 

 

 

 


Copyright © 2019 Transparência e Governança. Todos os direitos reservados.
___by: ITOO Webmarketing