Transparência e Governança

 
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
notícias Minoritários se organizam e ganham poder


Minoritários se organizam e ganham poder

16 de julho de 2012 | 3h 08   RIO - O Estado de S.Paulo

Apesar das pedras no caminho dos acionistas minoritários, episódios recentes que vieram a público ilustraram o poder da categoria quando organizada para exercer seus direitos societários perante as empresas.

Um dos exemplos foi a eleição de quatro membros do conselho da Gafisa, empresa sem controle definido, por indicação de acionistas liderados pelas gestoras de fundos Rio Bravo, Polo e pela Funcef, fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal (CEF).

Outro caso que tornou-se emblemático foi o da PDG, que em 2011 teve reprovada por 60% dos acionistas a proposta de remuneração da administração em primeira assembleia.

O veto foi embasado em recomendações de consultorias internacionais de recomendação de voto, que vêm se mostrando importantes agentes de fomento a esse ativismo. Aos poucos, os minoritários ganham mais força nas deliberações.

As empresas desaprovaram o fato de a PDG não divulgar informações de remuneração, como exige a Comissão de Valores Imobiliários (CVM), a xerife do mercado de ações, com base numa liminar do Instituto Brasileiro de Executivos de Finança (Ibef-Rio).

Nos Estados Unidos, os investidores não têm o poder de alterar o plano de remuneração de executivos. Só em 2010, com a aprovação da Lei Dodd-Frank, eles passaram a poder opinar sobre esses valores. /M.D.

 

Matéria publicada pelo O Estado de S. Paulo em 16/07/12.

 


Copyright © 2019 Transparência e Governança. Todos os direitos reservados.
___by: ITOO Webmarketing