Transparência e Governança

 
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
notícias Analistas apontam que ações da Redecard vão continuar voláteis


Analistas apontam que ações da Redecard vão continuar voláteis

Após forte reação negativa dos papéis da Redecard na última sexta-feira - que desabaram 6,39% -, o clima permanece incerto para a credenciadora de cartão de crédito, indicam os especialistas que acompanham o caso de perto.

O movimento de baixa dos papéis começou depois da aprovação de novo laudo de avaliação da companhia, no âmbito da Oferta Pública de Aquisição (OPA) para fechamento de capital, feita pelo controlador Itaú Unibanco. Ontem, o movimento parecia se estender, chegando a cair mais de 2% no começo do pregão. Contudo, os papéis RDCD3 mostraram recuperação, acompanhando a forte movimento positivo da bolsa brasileira, e fecharam com valorização de 1,83% aos R$ 30,60.

Segundo o analista do BB Investimentos, Carlos Daltozo, "o pedido de novo laudo já era esperado pelo mercado, uma vez que os acionistas minoritários, incluindo nós, acreditavam que a primeira avaliação tinha sido muito cautelosa, tendo em vista que não levou em consideração algumas sinergias com a Redecard". Para ele, esse valor tem que subir um pouco para tentar fechar negócio.

O analista Paulo Ribeiro, do HSBC, adota dois cenários possíveis em caso de fracasso da operação: o Itaú pode renegociar seus contratos com a Redecard, pedindo um lucro similar ao da Caixa Econômica Federal ou do Safra, ou vender a Redecard e usar a Hipercard para criar a sua própria credenciadora, totalmente controlada pelo banco.

Para Fabio Zagatti e Henrique Caldeira, do Barclays, existe uma probabilidade de mais de 50% de o Itaú abandonar o negócio. Nesse caso, a Hipercard poderia ser um potencial concorrente no mercado nos próximos 3 a 5 anos, o que seria muito negativo para a Redecard, disse o analista Leonardo Zanfelício, da Concórdia.

"Somente com a divulgação do novo laudo é possível saber o caminho para as ações da companhia, ressaltando que a situação pode ficar muito feia se o negócio não for concluído, já que a Redecard não teria esse valor sem o Itaú como acionista majoritário", disse o analista.

 

 

 

 

Matéria publicada pelo DCI em 22/05/12. Acesse o site do jornal: http://www.dci.com.br/analistas-apontam-que-acoes-da-redecard-vao-continuar-volateis-id295058.html

 

 

 


Copyright © 2019 Transparência e Governança. Todos os direitos reservados.
___by: ITOO Webmarketing