Transparência e Governança

 
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
notícias Em texto sobre a economia brasileira, 'The Economist' sugere demissão de Mantega


Em texto sobre a economia brasileira, 'The Economist' sugere demissão de Mantega

Folha de S. Paulo

07 de dezembro de 2012

Em texto sobre a economia brasileira, 'The Economist' sugere demissão de Mantega

DE SÃO PAULO

Apenas dois anos atrás, quando Dilma Rousseff foi eleita presidente do Brasil, a economia do país vivia um boom. Ficou paralisada e agora luta para se recuperar.

Apesar do crescente esforço de estímulo do governo, a "criatura moribunda" cresceu apenas 0,6% no terceiro trimestre, metade do previsto pelo ministro Guido Mantega (Fazenda).

A descrição acima é da revista britânica "The Economist" em editorial sobre a perda de confiança na atual equipe econômica do governo. No texto, a publicação sugere a demissão de Mantega como uma alternativa para Dilma retomar a confiança dos investidores e alcançar um segundo mandato.

 

Fatores como a desaceleração nos preços das commodities e o endividamento das famílias são citados como ameaças à atividade econômica do país.

O termo "custo Brasil" também é usado para explicar porque o governo precisará contar com um esforço maior do lado da oferta --não do consumo-- para garantir o crescimento nos próximos anos, com mais investimento e aumento de produtividade.

Apesar de iniciativas como redução dos juros e desoneração da folha de pagamentos, a taxa de investimento vem caindo nos últimos trimestres e representa hoje 18,7% do PIB, ante 30% no Peru e 27% no Chile, lembra a revista.

A avaliação da revista é que a intromissão do governo sobre quanto deve ser a taxa de retorno em negócios como bancos e elétricas gerou desconfiança entre os investidores. "Até mais que o antecessor, Luz Inácio Lula da Silva, Rousseff parece crer que o Estado deve direcionar as decisões de investimento privado".

Diante do quadro apresentado no texto, a sugestão final é de que o Banco Central errará se decidir por mais um corte na taxa de juros e que o governo deve focar na redução de custos deixando livre o "espírito animal" do investimento privado.

A revista vai mais longe. Indica a Dilma que prove ser pragmática como diz ser demitindo o ministro Mantega. "Ela insiste que é pragmática. Se assim for, ela deveria demitir o Mantega, cujas projeções superotimistas provocaram uma perda de confiança nos investidores, e nomear uma nova equipe econômica capaz de reconquistar a confiança para negócios".

"A esperança da senhora Rousseff parece estar ligada à hipótese de que o pleno emprego e o avanço real da renda serão suficientes para garantir um segundo mandato em 2014. Isso dependerá da renovação do crescimento", afirma.

Para embasar a tese do desempenho econômico como ponto crucial para a reeleição, a revista lembra seus antecessores.

"Lula conseguiu um segundo mandato porque suas medidas tiraram milhões da pobreza. O eleitorado garantiu, de igual forma, a reeleição a Fernando Henrique Cardoso porque ele combateu a inflação. E a senhora Rousseff? Eleitores podem julgar que na tentativa de equilibrar tantas bolas "econômicas", ela deixou cair a maioria delas"

 

Leia mais em:

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1197168-em-texto-sobre-a-economia-brasileira-the-economist-sugere-demissao-de-mantega.shtml

 

 

 

 


Copyright © 2019 Transparência e Governança. Todos os direitos reservados.
___by: ITOO Webmarketing