Transparência e Governança

 
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
notícias CVM amplia prazo de rodízio, mas pede comitê de auditoria


CVM amplia prazo de rodízio, mas pede comitê de auditoria

Com respaldo das recentes discussões internacionais sobre o tema, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) oficializou a manutenção do rodízio compulsório de auditores independentes no Brasil.

Sem abrir mão do modelo de rotação, o órgão regulador divulgou ontem a edição da norma que amplia de cinco para dez anos o prazo de troca das firmas de contabilidade. Isso só será possível, no entanto, em empresas que instalarem um comitê estatutário de auditoria - espécie de órgão fiscalizador dos auditores internos e externos.

Alexsandro Broedel, diretor da CVM, revelou que vários questionamentos sobre a necessidade e os supostos benefícios do sistema - como melhoria da qualidade e da independência das demonstrações contábeis - foram feitas à autarquia durante a audiência pública sobre o assunto. A CVM, por sua vez, nem chegou a divulgá-los. "A pauta da audiência não era a relevância do rodízio, mas os comitês de auditoria", disse.

Para Broedel, o que era antes considerado "jabuticaba" na regulação brasileira está sendo motivo de inspiração para órgãos internacionais. É o caso do Conselho de Supervisão de Contabilidade de Companhias Abertas (PCAOB, na sigla em inglês) - que regula as auditorias nos EUA - e da Comunidade Europeia (CE). Ambos colocaram em discussão a adoção do rodízio recentemente. "A pauta não teria sido aberta se essa possibilidade não estivesse sendo seriamente cogitada", disse Broedel.

 

 

Notícia publicada em 17/11/11 pelo Valor Econômico. Para lê-la na íntegra, acesse o site do jornal:

http://www.valor.com.br/impresso/cvm/cvm-amplia-prazo-de-rodizio-mas-pede-comite-de-auditoria

 

 

 


Copyright © 2019 Transparência e Governança. Todos os direitos reservados.
___by: ITOO Webmarketing